Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 24 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Caixa cancela exposição que mostra Bolsonaro defecando na bandeira do Brasil

Imagem - Reprodução/@colecao_bandeira_2
Imagem - Reprodução/@colecao_bandeira_2

A Caixa Econômica Federal decidiu cancelar uma exposição à mostra em Brasília que trazia artes políticas, como uma ilustração de Jair Bolsonaro (PL) defecando na bandeira do Brasil. A exposição “O grito!” contava com uma obra chamada “Bandeiras”, que tinha ainda Paulo Guedes, Arthur Lira (PP-AL) e Damares (Republicanos-DF) dentro de uma lixeira com as cores do país.

O banco divulgou, em nota, que identificou na mostra “manifestação com viés político-partidário”. A exposição foi patrocinada dentro do Programa de Ocupação dos espaços da Caixa Cultural 2023/2024, modelo de seleção pública para projetos culturais, e esse tipo de manifestação fere as diretrizes do programa.

Além de cancelar a mostra, que iria de 17 de outubro a 17 de dezembro, a Caixa informou que vai apurar as “responsabilidades pelos órgãos internos”. Políticos e influenciadores de direita também reagiram e pediram punições. Bia Kicis (PL-DF), por exemplo, protocolou três requerimentos sobre o tema na noite desta segunda-feira (23/10).

Eles pedem a convocação do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para “prestar esclarecimentos acerca do evento”, o depoimento da Presidente da Caixa Econômica Federal, Rita Serrano, e da Superintendente Nacional de Patrocínio, Eventos e Promoção da Caixa, Ana Luiza Fraga, e solicitam ao Tribunal de Contas da União que fiscalize os gastos e as eventuais irregularidades do patrocínio com a mostra.

As artes polêmicas

A obra “Bandeiras” conta com várias flâmulas do Brasil modificadas para fazer referência a temas polêmicos, como discussões sobre aborto, drogas e censura. Há uma bandeira do país com a folha da maconha ao centro, outra totalmente rosa com a frase “manda nudes” e uma com as cores do partido nazista, mas com um símbolo de proibido e o número 22 no meio, fazendo referência à dezena de Bolsonaro na urna nas últimas eleições.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.