Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 1 de março de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Vaticano decide que a igreja católica deve permitir que pessoas transexuais sejam batizadas e apadrinhem pessoas em batismos

Pessoas trans podem receber o batismo “se não houver situações em que haja risco de gerar escândalo público ou desorientação entre os fiéis”
Imagem - Antoine Mekary
Imagem - Antoine Mekary

Em resposta ao bispo brasileiro José Negri, da Diocese de Santo Amaro (SP), o Vaticano decidiu que a igreja católica deve permitir que pessoas transexuais sejam batizadas e apadrinhem pessoas em batismos na denominação. Em julho, o religioso brasileiro enviou seis perguntas relacionadas às pessoas LGBTQIA+ para o departamento Dicastério da Doutrina da Fé. 

As respostas para os questionamentos foram assinadas pelo chefe do departamento, o cardeal argentino Víctor Manuel Fernández, e aprovadas pelo Papa Francisco, em 31 de outubro. Segundo o Vaticano, pessoas trans podem receber o batismo “se não houver situações em que haja risco de gerar escândalo público ou desorientação entre os fiéis”.

Além disso, os filhos de casais homossexuais devem ser batizados desde que haja uma esperança “bem fundamentada” de que eles serão educados na fé católica.

Veja as perguntas do bispo brasileiro e as respostas do Vaticano

Uma pessoa transexual pode ser batizada?

Um transexual que também passou por tratamento hormonal e cirurgia de redesignação sexual pode receber o batismo, nas mesmas condições dos demais fiéis, se não houver situações em que haja risco de gerar escândalo público ou desorientação entre os fiéis. No caso de crianças ou adolescentes, se bem preparados e dispostos, podem receber o batismo.

Uma pessoa transgênero pode ser padrinho ou madrinha no batismo?

Sob certas condições, pode-se ser admitido no papel de padrinho ou madrinha a pessoa transexual adulta que também passou por tratamento hormonal e cirurgia de redesignação sexual. Contudo, como esta tarefa não constitui um direito, a prudência pastoral exige que não seja permitido se houver risco de escândalo, de legitimação indevida ou desorientação no campo educativo da comunidade eclesial.

Uma pessoa transgênero pode ser testemunha de um casamento?

Não há nada na atual legislação canônica universal que proíba alguém pessoa transexual para testemunhar um casamento.

Casal homossexual que adotou criança ou teve filho por meio de “barriga solidária” pode batizar a criança na igreja católica?

Para que a criança seja batizada deve haver uma esperança bem fundamentada de que ela será educada
na religião católica.

Uma pessoa homoafetiva que mora junto pode ser padrinho de uma pessoa batizada?

Para ser padrinho, a pessoa deve levar uma vida em conformidade com a fé. Em qualquer caso, a devida prudência pastoral exige que cada situação seja tratada com sabedoria cuidadosamente, para salvaguardar o sacramento do batismo e sobretudo a sua recepção, que é bem precioso a ser protegido.

Uma pessoa homossexual que mora junto pode ser testemunha de um casamento?

Não há nada na atual legislação canônica universal que proíba alguém que aceita ser testemunha de um casamento.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.