Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 24 de fevereiro de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Quatro filmes que acabaram de chegar à Netflix e vão fazer você querer ficar em casa no fim de semana

São filmes que, por suas distintas qualidades, tornam-se uma excelente razão para reservar o fim de semana, desacelerar da agitação habitual e se entregar a experiências que desafiam, comovem e revitalizam o apreço pela sétima arte
A luta contra seu clone leva-o a uma jornada global eletrizante, desvendando as camadas de corrupção
A luta contra seu clone leva-o a uma jornada global eletrizante, desvendando as camadas de corrupção

A cada semana, a vasta biblioteca da Netflix se expande, oferecendo novas opções que prometem mais do que simples entretenimento. Recentemente, a plataforma de streaming acolheu em seu catálogo quatro obras cinematográficas que se destacam não apenas pela qualidade da narrativa, mas também pela capacidade de imergir o espectador em universos paralelos, provocando reflexões profundas e, em alguns casos, questionamentos introspectivos.

Estes filmes, variando de thrillers eletrizantes a dramas existenciais, apresentam enredos que se desdobram além das previsíveis convenções de seus respectivos gêneros. Em um mundo onde o volume de produções disponíveis pode ser esmagador, estes quatro títulos emergem como representações autênticas de storytelling que captura a complexidade da condição humana, dos labirintos do sistema judicial aos dilemas pessoais do envelhecimento.

São filmes que, por suas distintas qualidades, tornam-se uma excelente razão para reservar o fim de semana, desacelerar da agitação habitual e se entregar a experiências que desafiam, comovem e revitalizam o apreço pela sétima arte.

Projeto Gemini (2019) de Ang Lee

Em um futuro não muito distante, um assassino de elite enfrenta o fim iminente de sua carreira, marcada por missões cumpridas com precisão letal. No entanto, seus planos de uma aposentadoria tranquila são brutalmente interrompidos quando ele se torna o alvo de um adversário inesperado: um clone mais jovem de si mesmo, com habilidades que rivalizam e até superam as suas. Enquanto luta por sua vida, ele é forçado a confrontar sua própria humanidade, questionando a moralidade de um mundo que permite a existência de sua cópia perfeita, mas moralmente não testada. A luta contra seu clone leva-o a uma jornada global eletrizante, desvendando as camadas de corrupção e conspirações de uma corporação sombria que não vê limites na utilização da ciência para fins nefastos. Confrontado com a ética da clonagem e os fantasmas de suas ações passadas, o assassino deve enfrentar os limites da tecnologia e sua própria mortalidade. Em meio a confrontos intensos e dilemas morais, a narrativa explora a essência do eu, a ética da clonagem humana e a luta interna de um homem enfrentando sua imagem refletida em um contexto de poder, controle e guerra.

Believer (2018), de Lee Hae-young

Em um cenário urbano sombrio, um detetive implacável mergulha no submundo do crime, determinado a derrubar um império de narcotráfico que espalha medo e violência. A investigação dá uma virada explosiva, obrigando-o a se unir a um criminoso leal da mesma organização que ele jurou desmantelar. Esse criminoso, movido pelo desejo de vingança após tragédias pessoais, torna-se uma peça central em um jogo perigoso de decepções. Juntos, eles navegam por um labirinto de traição e corrupção, desafiando cada um a questionar suas moralidades enquanto se aproximam do enigmático e evasivo líder do cartel. Esta aliança arriscada ilumina as sombras do mundo do crime, revelando não apenas os horrores do tráfico de drogas, mas também a complexidade da natureza humana em sua busca por justiça. Confrontados com escolhas impossíveis, o detetive e o gangster exploram os limites do sacrifício pessoal. A jornada os testa de maneiras imprevisíveis, culminando em um confronto que promete redefinir suas vidas e a guerra contra as drogas, destacando o eterno conflito entre dever, vingança e redenção.

Versões de um Crime (2016) de Courtney Hunt

Um advogado de defesa, conhecido por seu comprometimento incansável, enfrenta um dilema moral e profissional ao pegar o caso de um adolescente acusado de assassinar brutalmente seu próprio pai. Ao se aprofundar na investigação, ele descobre uma teia de segredos e mentiras dentro da família disfuncional, lançando dúvidas sobre tudo o que ele achava saber sobre a verdade e a justiça. Cada revelação desenterrada desafia suas convicções, fazendo-o enfrentar não apenas os demônios de seu cliente, mas também os seus próprios. Conforme o caso se desenrola em um julgamento repleto de reviravoltas e manipulações, o advogado luta contra um sistema legal que muitas vezes favorece a narrativa mais convincente em vez da verdade objetiva. Lutando para manter sua integridade intacta enquanto desvenda os mistérios sombrios que cercam o crime, ele se vê em um jogo perigoso que ameaça sua carreira e estabilidade emocional. A busca pela absolvição ou condenação torna-se não apenas uma batalha pela justiça, mas uma jornada pessoal que questiona os limites da lei, a natureza da verdade e os sacrifícios necessários para defender um sistema falho.

Enquanto Somos Jovens (2015), de Noah Baumbach

Dentro dos confins de uma metrópole moderna, um casal de meia-idade enfrenta o desafio existencial que vem com o envelhecimento, enredado em dúvidas sobre suas realizações profissionais e pessoais. Eles, artistas e intelectuais, veem seu mundo estável balançar com a entrada de um casal mais jovem em suas vidas. Os jovens, vibrantes e cheios de uma energia contagiante, inadvertidamente impulsionam seus anfitriões mais velhos a questionarem tudo o que sabiam sobre si mesmos, incitando uma crise de identidade que mexe com suas noções preconcebidas de arte, sucesso e relacionamentos. Enquanto tentam recapturar a faísca da juventude e relevância em suas carreiras estagnadas, a presença inspiradora e às vezes caótica dos jovens força o casal a enfrentar os espelhos de suas vidas passadas, medos e sonhos não realizados. Neste turbilhão emocional, eles embarcam em uma série de aventuras quixotescas e iniciativas criativas na busca por um renascimento artístico e pessoal. Tudo isso acontece enquanto lidam com os desafios do amor maduro, da ambição e da inevitabilidade do tempo, refletindo sobre o que significa deixar um legado e ser autêntico na era moderna.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.