Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 3 de março de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Assassino confesso diz que foi ameaçado e matou ex-cunhado com barra de ferro

Autuado por ocultação de cadáver (crime que mantém a situação de flagrante enquanto o corpo não for encontrado), Agnaldo confessou o crime em depoimento à Polícia Civil
Assassino confesso na delegacia; como estava bêbado, não lembra onde corpo foi jogado (Foto: Divulgação)
Assassino confesso na delegacia; como estava bêbado, não lembra onde corpo foi jogado (Foto: Divulgação)

Agnaldo Gimenes Almirão, 47, o “Guina”, disse que matou o ex-cunhado com golpes de barra de ferro na cabeça e depois arrastou o corpo até uma área de mata no Travessão da Figueira, entre os municípios de Dourados e Itaporã. Até agora o corpo de Clelson Velasques Verón, 32, não foi encontrado.

Nesta segunda-feira (23), a Polícia Civil retomou as buscas nos arredores. Equipes do canil da Polícia e do Batalhão de Choque da PM com ajuda de cães farejadores também participam das buscas, na região do distrito de Panambi.

O assassinato ocorreu no dia 6 de outubro deste ano, mas o desaparecimento só foi comunicado à polícia pela mãe de Clelson na semana passada.

Autuado por ocultação de cadáver (crime que mantém a situação de flagrante enquanto o corpo não for encontrado), Agnaldo confessou o crime em depoimento à Polícia Civil e alegou que teria sido ameaçado de morte pelo ex-cunhado. Como Clelson já havia matado uma pessoa em 2013, afirmou que ficou com medo e decidiu matá-lo primeiro.

O criminoso alegou que no dia do crime, Clelson teria brigado com a ex-mulher por causa de dinheiro. A mulher é irmã dele e de Luis Gimenes Almirão, o “Birigui”, outro suspeito de participação no assassinato, que segue foragido.

Agnaldo disse que interferiu em defesa da irmã, pois ela teria sido agredida com socos e chutes, mas foi ameaçado pelo ex-cunhado. Mais tarde, ainda segundo a versão do assassino confesso, ele e “Birigui” encontraram Clelson na estrada e teria ocorrido uma briga entre eles.

“Guina” afirmou que o ex-cunhado ficou desmaiado após a briga. Por medo, alegou que decidiu matá-lo. Clelson foi levado até uma mata perto do Travessão da Figueira e morto com golpes de barra de ferro na cabeça. Ele inocentou o irmão e disse que “Birigui” apenas dirigiu a caminhonete usada para levar Clelson até o local do crime.

No sábado (21), o juiz plantonista Deyvis Ecco decretou a preventiva de Agnaldo. A ex-mulher de Clelson negou participação no crime e é tratada até agora apenas como testemunha. Eles tiveram cinco filhos e foram casados por 15 anos.

Clelson Velasques Verón, assassinado no dia 6 deste mês; corpo ainda não foi encontrado (Foto: Arquivo)

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.