Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 16 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Aeroportos brasileiros receberão R$ 20 bilhões em investimentos nos próximos anos

Na reunião, o ministro Silvio Costa Filho também defendeu cada vez mais a integração entre as concessionárias, Embratur e o Ministério do Turismo
Entrada do Aeroporto Internacional de Campo Grande/Foto: Valentin Manieri
Entrada do Aeroporto Internacional de Campo Grande/Foto: Valentin Manieri

Pela primeira vez na história, o Ministério de Portos e Aeroportos (MPor) reuniu os presidentes das 12 concessionárias que administram 59 aeroportos brasileiros, o que representa 99% do mercado. O encontro, realizado nesta terça-feira (20) no MPor, serviu para Governo Federal e administradores aeroportuários apresentarem ações para o fortalecimento da aviação comercial do país, como a ampliação de rotas regionais e internacionais, os investimentos e melhorias nos terminais concedidos à iniciativa privada. A previsão é que as concessionárias invistam mais de R$ 20 bilhões nos próximos anos.

Importante passo para inserir a agenda aeroportuária como prioridade de desenvolvimento da economia, o ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, indicou que o diálogo com os gestores dos aeroportos reforça o compromisso do governo de contar com a parceria privada para promover aos brasileiros melhores serviços e maior oferta de voos.

Costa Filho lembrou que a parceria com os agentes privados tem gerado dados positivos para o setor. A aviação civil comercial brasileira fechou 2023 com 112,6 milhões de passageiros transportados no mercado doméstico e internacional, valor 15,3% superior ao total observado em 2022. “No último ano, conseguimos um crescimento acima de dois dígitos na aviação. Até 2026, nosso objetivo é que a aviação brasileira transporte mais 140 milhões de passageiros”, adicionou.

Na reunião, o ministro Silvio Costa Filho também defendeu cada vez mais a integração entre as concessionárias, Embratur e o Ministério do Turismo.

Aviação regional

Para acompanhar as demandas do setor aéreo, o ministro Costa Filho sugeriu a criação de um grupo de trabalho da Secretaria Nacional de Aviação Civil do Ministério de Portos e Aeroportos com concessionárias privadas e a Infraero com objetivo de identificar e criar rotas de transporte aéreo a partir de aeroportos regionais.

Diálogo com o setor

Manter um diálogo constante e unificado com o setor é importante para identificar oportunidades de melhorias na logística de transporte aéreo do país e para criar um ambiente favorável para ouvir as demandas dos passageiros desse modal. Para Fábio Rogério Carvalho, presidente da ABR Aeroportos do Brasil, é um muito valioso esse tipo de encontro para “apresentamos nossas pautas, mostrar os investimentos que vamos fazer ao longo do ano de 2024 e para os próximos anos apresentando também os nossos esforços em ESG (sigla em inglês voltada a questões ambientais, sociais e de governança), na certeza de que temos muito a contribuir e colaborar com o Brasil, especialmente aqui com a pasta do ministro Silvio”, afirmou.

Jorge Arruda, presidente da Inframérica, concessionária que administra o aeroporto de Brasília, o terceiro maior do país, indicou que “é fundamental, a gente como setor, manter um diálogo aberto com o Governo Federal”. Ele espera que esse seja o primeiro de muitas reuniões produtivas.

Aviação em números

Responsável por administrar 59 terminais no país, as 12 concessionárias privadas já investiram cerca de R$ 28,5 bilhões em melhorias de infraestrutura e serviços aos usuários. Atualmente, os aeroportos concedidos são responsáveis por transportar cerca de 92% dos passageiros no mercado doméstico e internacional e 99% do total de carga aérea transportada. Desde o início das concessões, foram criados cerca de 150 mil empregos diretos.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.