Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 14 de julho de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Arroba do boi e saca do milho renovam recordes nominais; veja notícias desta sexta-feira

  • Boi: arroba bate recorde no indicador do Cepea
  • Milho: preços superam R$ 88 por saca em Campinas (SP)
  • Soja: cotações se acomodam no Brasil e em Chicago
  • Café: arábica tem nova queda em Nova York
  • No Exterior: pressão nos juros norte-americanos volta a derrubar bolsas
  • No Brasil: Senado aprova PEC Emergencial; texto vai à Câmara

Agenda:

  • Brasil: produção industrial em fevereiro
  • EUA: criação líquida de vagas formais de trabalho em fevereiro
  • EUA: taxa de desemprego de fevereiro

Boi: arroba bate recorde no indicador do Cepea

O indicador do boi gordo do Cepea, calculado com base nos preços praticados em São Paulo, voltou a subir após alguns recuos e marcou um novo recorde nominal para a série histórica. A cotação variou 1,95% em relação ao dia anterior e passou de R$ 298,15 para R$ 303,95 por arroba. Dessa forma, no acumulado do ano, o indicador teve uma alta de 13,78%. Em 12 meses, os preços alcançaram 50,47% de valorização.

No mercado futuro, os contratos do boi gordo negociados na B3 tiveram comportamento misto. O ajuste do vencimento para março recuou de R$ 308,55 para R$ 308, do abril subiu de R$ 305,50 para R$ 306 e do maio caiu de R$ 300,20 para R$ 299,20 por arroba.

Milho: preços superam R$ 88 por saca em Campinas (SP)

Os preços do milho seguiram avançando de maneira expressiva e renovaram o recorde histórico em Campinas (SP). O indicador do milho do Cepea subiu 1,76% em relação ao dia anterior e passou de R$ 87,06 para R$ 88,59 por saca. Dessa forma, no acumulado do ano, o indicador valorizou 13,78%. Em 12 meses, os preços alcançaram 50,47% de alta.

Na B3, o movimento também foi de forte alta nos contratos futuros de milho. O ajuste do vencimento para março foi de R$ 88,12 para R$ 89 e do maio, de R$ 91,01 para R$ 94,33 por saca, sendo que este contrato já valorizou 6,5% apenas nesta semana.

Soja: cotações se acomodam no Brasil e em Chicago

O mercado brasileiro de soja teve um dia de cotações acomodadas com leves quedas. O fato de o dólar ter operado em baixa em grande parte do dia pode ter impactado os preços. No porto de Paranaguá (PR), a saca caiu 0,22%, de R$ 172,36 para R$ 171,98.

Em Chicago, os contratos futuros também mostram alguma acomodação nos últimos dias e dificuldade de alcançar maiores avanços. O vencimento para maio subiu 0,21% e passou de US$ 14,074 para US$ 14,104 por bushel.

Café: arábica tem nova queda em Nova York

Os contratos futuros do café arábica negociados na Bolsa de Nova York recuaram pelo quinto dia consecutivo. O vencimento para maio caiu de US$ 1,3280 para US$ 1,3215 por libra-peso e já acumula uma queda de 5,6% nestes últimos cinco pregões.

No Brasil, os preços acompanharam a pressão vinda do exterior e ainda tiveram fator adicional do dólar ter se desvalorizado em relação ao real. O indicador do café arábica do Cepea recuou 1,21% em relação ao dia anterior e passou de R$ 747,51 para R$ 738,50 por saca. Ainda assim, no acumulado do ano, o indicador tem alta expressiva de 23,21%.

No Exterior: pressão nos juros norte-americanos volta a derrubar bolsas

Os juros dos títulos do Tesouro norte-americano com prazo para dez anos voltaram a subir ontem e encostaram novamente perto dos 1,6%. Apesar da alta ter desacelerado na abertura de hoje, as bolsas globais seguem com desempenho ruim. O discurso do presidente do Banco Central dos Estados Unidos (FED), Jerome Powell, não foi suficiente para acalmar os mercados.

Powell comentou brevemente sobre a alta dos juros de mercado, mas não indicou como e se o FED irá tomar alguma atitude. Os investidores especulavam se haveria alguma disposição do Banco Central de conter a elevação das taxas. Como isso não ocorreu, a pressão foi o suficiente para o aumento do rendimento dos títulos.

 

 

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.