Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 29 de maio de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Brasil pede ajuda aos EUA para combate ao desmatamento na Amazônia

Os ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, realizaram uma reunião por videoconferência na 4ª feira (17.fev.2021) com o enviado especial do Clima do governo norte-americano, John Kerry, para discutir mudanças climáticas e combate ao desmatamento.

Na reunião, o governo manteve o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro sobre o Brasil se comprometer com meta de redução de desmatamento e queimadas se houver injeção direta de dinheiro estrangeiro no país. Para o governo, sem recurso dos Estados Unidos e demais países ricos, não há como proteger o meio ambiente como previsto em acordos internacionais.

De acordo com o jornal o Estado de S. Paulo, o entendimento do governo Bolsonaro é de que, até agora, o Brasil se comprometeu com outros países a ajudar no enfrentamento das mudanças climáticas e metas previstas no Acordo de Paris. No entanto, não impôs condicionantes claras e financeiras para atingir os compromissos. Segundo fonte do alto escalão do governo, o tom da conversa na reunião sinalizou: “A gente [o governo] faz, mas vocês vão ter de pagar”.

Em nota, o Itamaraty disse que a reunião também serviu para “aprofundar o diálogo bilateral nas áreas mencionadas, com processo estruturado em encontros frequentes, em busca de soluções sustentáveis e duradouras aos desafios climáticos comuns”.

Em vídeo publicado nas redes sociais, o ministro Ricardo Salles disse que a reunião também tratou de um evento que está sendo organizado pelo governo norte-americano sobre o meio ambiente. O Earth’s Summit (Cúpula da Terra) está programado para o dia 22 de abril, em Washington.

“Importante assunto porque é a parceria que nós vamos estabelecer com o governo que se inicia, dos Estados Unidos, para tratar dos diversos temas, dentre eles, aqueles recursos relativos aos créditos de carbono, tão importantes para o nosso cuidado com a Amazônia”, afirmou.

Alguns técnicos da administração de Joe Biden não se convenceram com a versão do Brasil de que o governo Bolsonaro está lidando de forma eficiente com o desmatamento em país. Esse pedido por dinheiro para outros países ocorre 2 anos depois que o governo brasileiro, de forma unilateral, interrompeu o acordo que existia de financiamento com alemães e noruegueses.

Apesar de a reunião ter sido na 4ª feira (17.fev), somente nesta 5ª feira (18.fev) John Kerry falou sobre o interesse de o governo norte-americano se comprometer em reconstruir a cooperação em temas climáticos com o Brasil.

“Lidar com a crise climática exige impactos grandes que apenas podem ser atingidos por parcerias globais”, disse o enviado especial do Clima do governo norte-americano. “Boa conversa ontem sobre cooperação climática, liderança do Brasil e crescimento econômico sustentável com Ernesto Araújo e Ricardo Salles”, completou.

No caso do pedido para os EUA, os EUA estão comprometidos em destinar recursos para ajudar o Brasil que poderiam chegar a US$ 20 bilhões (cerca de R$ 115 bilhões). Mas para isso, teria que existir um acordo com critérios, o que exigirá uma conversa detalhada entre técnicos.

A ordem dentro do governo norte-americano é de sinalizar com incentivos ao Brasil no tema ambiental, antes de falar em sanções ou afastamento de posições. Biden, que se elegeu por conta da agenda ambientalista e de direitos humanos, está sendo pressionado por congressistas americanos, ativistas para manter uma postura “dura” em relação ao governo Bolsonaro.

A relação de Bolsonaro com Biden começou turbulenta depois de o democrata ter ameaçado o Brasil com sanções por conta do desmatamento na Amazônia, em 29 de setembro. O posicionamento do norte-americano, ainda em campanha eleitoral, foi rebatido pelo presidente brasileiro: “Quando acabar a saliva, tem que ter pólvora”.

Em janeiro, Biden nomeou um crítico do presidente para atuar nas relações com a América Latina: Juan Gonzalez foi indicado para diretor sênior no Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.