Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 5 de março de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Estudante brasileira acusa colega local de agredi-la com socos em universidade de Portugal

O homem teria agredido a brasileria e feito comentários xenofóbicos e insinuado que a mulher pagava o curso se prostituindo

Uma estudante brasileira acusa um colega de classe português de tê-la agredido com socos no rosto e na barriga dentro das instalações da Universidade do Minho, em Braga, no norte de Portugal. Ele também teria feito comentários xenofóbicos e insinuado que a mulher pagava o curso se prostituindo.

Aluna de uma pós-graduação em comunicação, a jornalista carioca Grazielle Tavares, 49, disse que o episódio, ocorrido na terça-feira (28), foi presenciado por vários estudantes de sua turma, mas que apenas a professora teria agido para socorrê-la.

Segundo Grazielle, a docente, portuguesa, chamou o segurança da faculdade. O funcionário, porém, teria perguntado o que a brasileira havia feito para irritar o estudante português.

Ela afirmou que, após alguma insistência, a polícia foi chamada. A equipe da GNR (Guarda Nacional Republicana) apenas interrogou o estudante, que não foi detido.

A brasileira foi atendida ainda na sala de aula por uma equipe médica e acabou levada a um hospital. Ela ficou com os lábios inchados e sangrando, além de ter caído no chão com a força do golpe.

Atingida também na região abdominal, Grazielle diz ter ficado com um hematoma na barriga, onde foi operada há cerca de três meses. “Fiz uma cirurgia grande na barriga, de fora a fora. Ainda estou me recuperando. E onde o chute pegou? Bem na barriga”, disse à Folha. O caso foi revelado pelo jornal Correio Braziliense e confirmado pela reportagem.

Segundo Grazielle, os problemas aconteceram em meio a conversas para um trabalho em grupo do curso. Por ter chegado a Portugal há apenas um mês e meio, já após o início das aulas, ela relata que acabou se juntando aos estudantes “que sobraram” na disciplina, incluindo o agressor.

A estudante afirma que ela e outra aluna brasileira do grupo já haviam sido alvos de comentários agressivos e preconceituosos por parte do aluno português, que não teria o mesmo comportamento em relação ao outro estudante, do sexo masculino, que integrava o mesmo grupo.

O estopim para as agressões teria sido um atraso dos integrantes do grupo para uma reunião com a professora da disciplina. Grazielle afirma que chegou ao local um minuto após a hora combinada, mas que, mesmo assim, foi alvo de ofensas por parte do estudante, identificado como João Bernardo Mendes.

“Ele chegou com o dedo em riste na minha cara, falando alto comigo. Nessa hora eu reagi e respondi que ainda estava para nascer um homem que falaria comigo daquela forma”, afirmou.

A jornalista afirma que se recusou a acompanhar o colega, sem os demais integrantes do grupo, até a sala onde haveria a reunião, o que o teria irritado ainda mais.

“Ele então me xingou, disse que eu era uma grandessíssima filha da puta e saiu do prédio”, disse. “Fiquei muito nervosa e comecei a chorar e a tremer, porque aquilo me desestabilizou muito.”

Grazielle afirma que desistiu da reunião, mas ficou para assistir à aula normal da disciplina, sentando-se próxima à porta da sala . O aluno português teria então começado a entrar e sair repetidamente, encarando a brasileira. Ela afirma que foi novamente ofendida. “Então eu me levantei, dei dois passos grandes em direção a ele e falei ‘repete’. Nessa hora, eu já levei um soco dele. Em seguida, veio ainda um chute. Ele me perguntou o que eu estava fazendo estudando no país dele.”

A brasileira disse ter respondido que estava em situação legal em Portugal e pagava normalmente pelo curso. O homem teria então gritado, para todos do entorno ouvirem, que ela devia “pagar com o cu” para custear a formação.

Procurado, João Bernardo Mendes não respondeu à Folha sobre as acusações de agressão. A Universidade do Minho não retornou aos pedidos de esclarecimento do episódio e sobre o futuro do aluno.

“Estou dilacerada internamente, dói do fio de cabelo ao dedão do pé. Pode ser pela queda, mas acho que também tem um componente psicológico”, disse a estudante. “Já tive um câncer, não vai ser um soco que vai me parar.”

Nos últimos anos, acompanhando a disparada de matrículas de brasileiros nas universidades lusas, o número de queixas de agressão e de xenofobia contra a comunidade vem subindo. Segundo a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial, quase 27% das denúncias de discriminação étnica ou racial em Portugal em 2021, último ano do levantamento, eram de brasileiros. Foram 109, aumento de mais de 500% ante as 18 registradas em 2017.

Desde 2014, a legislação lusa facilita a entrada de estudantes estrangeiros nas universidades do país. Os brasileiros formam a maior comunidade de alunos internacionais, com mais de 30% das matrículas, muitas vezes pagando mensalidades que são mais do que o dobro dos valores praticados para os portugueses.

Um dos episódios de maior repercussão aconteceu na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa em 2019, quando um grupo colocou uma caixa com pedras e a indicação “grátis para atirar em um zuca [brazuca]” em pleno hall de entrada da instituição.

De acordo com os responsáveis, tratava-se de uma sátira com a grande quantidade de alunos oriundos do Brasil. Em abril de 2023, mais um aluno da Faculdade de Direito foi acusado de fazer alusão ao apedrejamento de brasileiros. A direção abriu um processo disciplinar.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.