Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 3 de março de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

‘Lesa Pátria’ Major da PM que ensinou guerrilha no QG passa mal e não vai à CPI

As investigações apontam ainda que o preso teria ensinado táticas de guerrilha para os participantes do acampamento situado no QG do Exército, em Brasília”,
O major da reserva incentivou um golpe de estado contra o resultado das urnas por sucessivas vezes
O major da reserva incentivou um golpe de estado contra o resultado das urnas por sucessivas vezes

O major aposentado da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) Cláudio Mendes dos Santos, de 49 anos, passou mal, na manhã desta quinta-feira (19/10), e não compareceu ao depoimento marcado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Atos Antidemocráticos, da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

O oficial aposentado, que está detido no batalhão da PMDF dentro do Complexo Penitenciário da Papuda, passou mal durante o trajeto à CLDF, se queixando de dores no abdômen. Ele levado às pressas para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de São Sebastião.

O médico deu três dias de atestado ao major e, com isso, os distritais remarcaram o depoimento para 9 de novembro. Ele está preso desde março, após ser alvo da 9ª fase da Operação Lesa Pátria.

Nas investigações conduzidas pela PF, o oficial é suspeito de atuar na incitação de atos antidemocráticos, em frente do Quartel General (QG) do Exército, no Setor Militar Urbano (SMU). “As investigações apontam ainda que o preso teria ensinado táticas de guerrilha para os participantes do acampamento situado no QG do Exército, em Brasília”, detalhou a corporação.

De acordo com a PF, os fatos investigados constituem, em tese, nos crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime, destruição e deterioração ou inutilização de bem especialmente protegido.

O mandado foi expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A operação é permanente e as diligências apontam para um ataque planejado previamente e que usou estratégias profissionais para depredar e invadir prédios públicos.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.