Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 29 de maio de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

O que diz a postura fria da mãe de Henry durante a condução à prisão

Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, deixa à Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP)
Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, deixa à Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP)

Com máscara preta, roupa social e calça de cores escuras, a professora Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel , de quatro anos, foi presa às 6h da manhã da última quinta-feira (08) por agentes da 16ª DP (Barra da Tijuca). A prisão foi expedida pela juíza Elizabeth Louro Machado, do 2º Tribunal do Júri do Rio.

Enquanto Monique saía de casa acompanhada pelos policiais , caminhava calmamente no trajeto do portão de sua casa até a viatura. Chegando à 16ª DP e cercada por policiais e jornalistas , ouvindo gritos e xingamentos de populares próximos ao local, a professora manteve a cabeça erguida, aparentando tranquilidade .

Esses dois episódios não foram suas primeiras demonstrações de frieza , segundo a polícia. Um dia após o enterro de Henry, Monique foi ao salão de beleza de um shopping na Barra da Tijuca. Três profissionais cuidaram dos pés, das mãos e do cabelo da professora, que pagou R$ 240 pelo serviço.

Segundo os investigadores, a professora teria conhecimento de que seu filho era agredido e pode ter ajudado o seu companheiro, o vereador Dr. Jairinho, a atrapalhar as diligências realizadas pela Polícia Civil, além de ter coagido e ameaçado testemunhas do caso.

Não há diagnóstico, mas há indícios

A psicóloga Aline Saramago explicou que não seria possível fazer um diagnóstico com maior profundidade, dadas as circunstâncias, embora seja possível identificar algumas hipóteses . “É possível que ela tenha um comportamento narcísico , no sentido de buscar transparecer um status de grandiosidade. Isso pode ter levado ela a se arrumar, ir no salão, ter se maquiado. Poderia ser possível dizer que ela tenha um certo egoísmo , uma menor empatia em relação ao filho”, disse.

Aline ainda mencionou situações de conflitos familiares, em que os pais são distantes dos filhos e não escutam a criança, e não levam em consideração as questões que aparecem durante e após o processo de divórcio .

“Muitas coisas podem ter parado na cabeça dela (Monique), e talvez ela não tenha escutado a criança . É possível que ela tenha uma parafilia que se chama Hibristofilia , que são pessoas que acreditam que podem ‘ mudar ‘ o seu parceiro, de alguma forma, e talvez ela quisesse ganhar a atenção do público a partir do momento que ela se relaciona com alguém que tem atos questionáveis , talvez por uma insegurança ou baixa autoestima”.

 

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.