Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 22 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Plantio tardio da safra 2023/24 não intimida setor de fertilizantes, que vê ano com otimismo

Os participantes do mercado esperam que os acordos de fertilizantes à base de nitrogênio para a segunda safra de milho aumentem principalmente em janeiro e se estendam ao longo do primeiro trimestre para áreas de plantio posteriores

Embora a estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) mostre recuo de 4,2% no volume de grãos da safra 2023/24, em relação à expectatativa no início da temporada, o volume a ser colhido na soja pode ter aumento de 0,4% ante a safra anterior, chegando a 155,27 milhões de toneladas. Este número, junto à projeção de 117,60 milhões de toneladas para o milho e os preparativos para 2024/25, contribui para que o setor de fertilizantes seja otimista quanto ao desempenho de 2024 – mesmo fora da janela ideal de comercialização.

O atraso no plantio da safra 2023/24 tem motivado a postergação da compra de insumo da safrinha de milho, cujo fator El Niño se torna mais desafiador, por causa de um período mais restrito de semeadura. Diante disso, o fertilizante, conhecido por ser o fornecedor de nutrientes para a planta, não pode faltar no solo, principalmente no momento em que a planta precisa crescer praticamente de forma cronometrada.

Os agricultores estão aguardando uma relação de troca favorável para efetuar as compras quando um determinado volume de produção é trocado por uma tonelada de fertilizante. O reflexo são as compras finais de pequenos volumes de fertilizantes para o início de meados de janeiro.

 “Os participantes do mercado esperam que os acordos de fertilizantes à base de nitrogênio para a segunda safra de milho aumentem principalmente em janeiro e se estendam ao longo do primeiro trimestre para áreas de plantio posteriores”, aponta a agência de análise de mercados. 

A concretização mais tardia das compras não intimida a indústria. Eduardo Monteiro, country manager da Mosaic Fertilizantes, acredita que a demanda pelo insumo no Brasil alcance 45 milhões de toneladas este ano. O volume é próximo aos 45,8 milhões de toneladas registrado em 2021, quando o país registrou recorde, de acordo com a Associação Nacional de Difusão de Adubos (ANDA).

Ele explica o que motiva estas projeções. No campo, o produtor se divide entre encerrar as compras do insumo para a segunda safra e se preparar para garantir o estoque para 2024/25. Em termos financeiros, o momento para estas aquisições é favorável quando calculada a relação de troca entre o preço do fertilizante e o valor pago na saca de soja.

“A relação de troca está muito boa, o índice da Mosaic aponta para o menor patamar desde 2021. Então esse é um bom momento para efetuar a compra tanto para a safrinha, quanto para 2024/25, inclusive pelo timming de entrega [por parte da indústria], já que a maior parte do insumo é importada”, diz Monteiro.

Na visão de Vagner Martins, gerente de Insumos da ADM, existe uma alteração na dinâmica de oferta e demanda, por causa do atraso na soja e uma janela de plantio mais limitada no milho. Ainda assim, o mercado de fertilizantes se prepara para um consumo igual ou superior ao de 2023.

“Visto que cerca de 90% do consumo de fertilizantes no país é de produtos importados, essas variáveis de oferta e demanda estão sendo consideradas e a indústria de fertilizantes estará pronta para atender a demanda no momento em que ela vier”, afirma.

Outro fator a ser considerado no contexto atual é o clima. Ainda que algumas regiões apresentem quebra de safra, Eduardo Monteiro diz que as chuvas das duas últimas semanas em áreas do Centro-Oeste e Matopiba – acrônimo para Mato Grosso, Tocatins, Piauí e Bahia favoreceram o desempenho da lavoura.

Vale dizer que o fertilizante só entra em ação com a presença de água, logo, a volta das chuvas pode estimular o agricultor a aplicar do produto, reduzindo riscos de desperdício.

“O pessoal que plantou soja precoce em setembro, para colher no fim do ano e entrar com algodão e milho, sofreu mais [as consequências negativas do clima]. Quem plantou depois vem sofrendo em escala menor. Em termos de safrinha, vejo com mais otimismo em decorrência da chuva das últimas duas semanas, quando percebemos uma mudança para melhor no humor dos produtores”, afirma.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.