Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 22 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Polícia prende terceiro suspeito de envolvimento na execução de advogado

Imagens de câmeras registraram o momento em que o assassino desceu do banco de trás de um veículo e atirou várias vezes contra a vítima. O advogado foi atingido por cerca de 21 tiros principalmente na região do rosto
Imagens - Divulgação/Redes Sociais
Imagens - Divulgação/Redes Sociais

Policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), prenderam nesta terça-feira (5) um suspeito de participar da morte do advogado Rodrigo Marinho Crespo, de 42 anos.

O homem identificado como Cezar Daniel Mondego de Souza teve a prisão temporária determinada pelo Plantão Judiciário da Comarca da Capital, com base em representação das autoridades policias da Delegacia de Homicídios.

Segundo as investigações, Cezar Mondego foi um dos responsáveis por monitorar a vítima nos dias que antecederam o crime e no dia do fato.

Ele teria atuado em conjunto com Eduardo Sobreira Moraes, que também teve a prisão decretada e está foragido. Os dois teriam seguido a vítima na segunda-feira (26) utilizando um um veículo VW/GOL branco, similar ao dos executores.

De acordo com a polícia, o veículo foi entregue a Eduardo Sobreira pelo policial militar Leandro Machado Silva, que também está foragido e teria sido o responsável por coordenar toda a logística do crime.

O PM é lotado no Batalhão de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Leandro Machado já foi investigado e preso pela prática de homicídio, e por integrar uma milícia que atua em Duque de Caxias.

O advogado Rodrigo Marinho Crespo foi morto no dia 26 de fevereiro, na Avenida Marechal Câmara, no Centro do Rio. O crime foi cometido em plena luz do dia, a poucos metros de distância da sede da OAB/RJ.

Imagens de câmeras registraram o momento em que o assassino desceu do banco de trás de um veículo e atirou várias vezes contra a vítima. O advogado foi atingido por cerca de 21 tiros principalmente na região do rosto.

A polícia civil do Rio de Janeiro informou que segue com as investigações para identificar os demais envolvidos e a motivação do delito.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.