Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 22 de maio de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

São Paulo ultrapassa as 600 mortes diárias e governo prevê mais um recorde de óbitos nesta terça (16)

Foto: Gustavo Basso
Foto: Gustavo Basso

O estado de São Paulo ultrapassou as 600 mortes diárias pela Covid-19, doença causada pelo coronavírus, batendo um novo recorde. Nas últimas 24 horas, foram registrados 679 óbitos em decorrência do vírus.

Na última sexta-feira (12), quando o estado registrou até então o pior dia da pandemia, foram 521 mortes. No mês passado, o número ficava abaixo dos 400 óbitos por dia  o que já era considerado descontrolado.

Para se ter ideia do tamanho descontrole da doença, mesmo com o governo João Doria (PSDB) adotando medidas extremas a fim de frear o vírus, as mortes por coronavírus em São Paulo já equivalem aos óbitos do Brasil no ano passado.

Em 20 de agosto de 2020, o país registrou 679 mortes. Ou seja, nas últimas 24 horas em São Paulo, o número de pessoas mortas pela Covid-19 é equivalente ao de todo o país no ano passado.

O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, João Gabbardo, afirmou nesta terça-feira (16) que o “recorde de óbitos hoje será em alta escala“. Pelo Twitter, o médico também fez críticas ao novo ministro da Saúde, o cardiologista Marcelo Queiroga, que se disse contrário ao lockdown.

“Novo ministro assume falando na possibilidade do uso de cloroquina e etc.., descarta lockdown. Hoje, 16/3, quando assumir vai se deparar com os piores números da pandemia. Recorde de óbitos hoje será em alta escala. Sugestão: não se posicione contra o lockdown nacional”, escreveu.

De acordo com dados da Saúde estadual, o salto da doença no estado é de 28,2% de uma semana para a outra. A taxa de ocupação hoje de UTIs no estado é de 89%. Na região metropolitana, ela chega a 90%.

Lockdown em São Paulo

O governador Doria afirmou, na segunda (15), que não descarta endurecer ainda mais as restrições no estado para conter o avanço da Covid-19 caso a atual fase emergencial não dê resultados. Segundo ele, a fase mais aguda de restrições seria um lockdown.

“Não hesitaremos em adotar todas as medidas que forem necessárias para proteger a população de São Paulo. A população precisa seguir as orientações dos médicos para se protegerem, ficarem em casa e respeitarem esse período da fase emergencial para que não tenhamos que adotar restrições mais duras se tivermos recrudescimento dos índices de infecção no estado”, afirmou.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.