Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 16 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Saúde quer priorizar vacina contra dengue para pessoas entre 6 e 16 anos

A estratégia foi aprovada em reunião da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização, que aconteceu nesta segunda-feira (15)

O Ministério da Saúde tem a previsão de ofertar a vacina contra a dengue primeiramente para uma parcela não definida da população entre 6 a 16 anos, como recomenda a OMS (Organização Mundial da Saúde).

A estratégia foi aprovada em reunião da CTAI (Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização), que aconteceu nesta segunda-feira (15).

A estratégia ainda precisa ser aprovada na CIT (Comissão Intergestores Tripartite), que irá definir quais as áreas de distribuição e também qual será exatamente esse primeiro público.

Na recomendação do grupo de assessoramento da OMS, o órgão restringiu a aplicação do imunizante para crianças e adolescentes de 6 a 16 anos, de um a dois anos antes do seu contato endêmico com a doença, ou seja, aquelas de 4 e 5 anos não deveriam ser incluídas como prioritárias na vacinação.

Segundo Eder Gatti, diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis, o comitê técnico orienta que a pasta siga a recomendação da OMS. ” A gente já contava isso como um norteador, mas a discussão fechou bem essa questão”, disse.

Embora os grupos mais vulneráveis aos casos graves e mortes por dengue sejam crianças pequenas e idosos, segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a Qdenga é indicada para quem tem mais de quatro anos e para adultos com até 60 anos -não há estudos para avaliar a eficácia e a segurança da vacina fora dessa faixa etária.

Em dezembro, o Ministério da Saúde anunciou a incorporação da vacina da dengue ao SUS. A imunização deve começar em fevereiro de 2024, mas não será utilizada em larga escala em um primeiro momento.

Segundo o laboratório, a previsão é que sejam entregues 5.082 milhões de doses entre fevereiro e novembro de 2024. O esquema vacinal é composto de duas doses.

Por conta desse quantitativo limitado a pasta terá que desenhar estratégias de aplicação.

Segundo o diretor, o país só irá conseguir vacinar cerca de 3 milhões de pessoas com as doses disponíveis pelo laboratório neste ano. A previsão é começar a imunizar em fevereiro.

“Isso não quer dizer que a gente vai oferecer a vacina para todo esse grupo [6 a 16 anos]. Tem uma discussão que dentro desse grupo [avalia] qual o grupo que hospitaliza mais, qual o grupo de melhor impacto. Isso pode variar e vamos procurar ficar dentro desse grupo”, disse.

Atualmente, só é possível se vacinar na rede privada, onde o imunizante é ofertado por preços que variam de R$ 300 a R$ 800 a dose.

Pode receber o imunizante quem já teve dengue e também quem nunca foi infectado. No entanto, gestantes, lactantes e pessoas com alergia a algum dos componentes presentes no imunizante, quem tem o sistema imunológico comprometido ou alguma condição imunossupressora não podem ser vacinadas com a Qdenga.

No início do último mês de dezembro, o Ministério da Saúde divulgou um boletim mostrando um aumento de 15,8% nos casos de dengue no Brasil em 2023, em comparação ao ano anterior. As ocorrências saltaram de 1,3 milhão em 2022 para 1,6 milhão.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.