Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 5 de março de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Sogrão diz que carro incendiado foi “mimo” para “genro do beijo grego”

Após a repercussão do caso, o pai da jovem, de 45 anos, teria ido até a casa dela e ateado fogo no carro do namorado. Enquanto o veículo era destruído pelas chamas, o homem teria gritado e falado sobre o suposto caso com o ex-genro
Reprodução / Redes sociais
Reprodução / Redes sociais

Edielson Oliveira o homem de 45 anos que ateou fogo em um carro e foi linchado em Araraquara, no interior de São Paulo, no último domingo (19/11), Edielson, disse à polícia que o veículo foi um presente que ele deu ao genro, identificado como “Juninho Virgílio”, de 22 anos.

Os personagens ganharam notoriedade nessa quarta-feira (22/11) após Camila Oliveira, filha de Edielson e esposa de Juninho, revelar nas redes sociais que seu pai e seu genro tinham um caso. Ela fez a descoberta ao acessar o celular de Edielson e se deparar com conversas com Juninho e vídeos em que os dois fazem sexo em um motel.

Após a repercussão do caso, Edielson teria ido até a casa da filha e ateado fogo no carro de Juninho. Vídeos que circulam pelas redes sociais mostram ele gritando sobre o caso com o genro no meio da rua e jogando garrafas nos muros das casas. Irritados, moradores que assistiam à cena derrubaram ele no chão e começaram a agredi-lo.

Edielson Oliveira registrou um boletim de ocorrência sobre o episódio na Delegacia Seccional de Araraquara. No documento, o homem de 45 anos não detalha em que momento o carro incendiado, um Chevrolet Vectra, teria sido dado como presente para Juninho e Camila. No BO, o veículo consta como propriedade de outra pessoa. Localizado, o antigo dono disse que vendeu o veículo há muito tempo e se surpreendeu ao saber que o proprietário atual ainda não havia feito a transferência.

À polícia, Edielson ainda admitiu ter jogado garrafas na direção de Juninho e do irmão dele, que não foi identificado. Uma testemunha disse ter sido atingida por estilhaços e que ficou ferida na perna.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), o caso foi registrado como dano e lesão corporal. Foi solicitada perícia ao local e os envolvidos notificados a comparecerem na unidade policial.

A treta

A companheira de Juninho, Camila Oliveira, revoltada com a situação, resolveu divulgar vídeos e prints que comprovam o romance. Após a exposição, o caos se instaurou no município de Araraquara, no interior paulista, e teve tumulto com direito a carro pegando fogo e até espancamento.

Camila usou o Facebook, no último fim de semana, para comunicar aos amigos da rede social que o marido mantinha relações sexuais com o pai dela por dinheiro. Além de publicar prints de conversas entre os dois, a mulher deixou seu WhatsApp disponível para transmitir vídeos íntimos do pai e do namorado para quem quisesse receber.

As imagens em que os dois aparecem no motel circularam rapidamente entre os moradores da cidade, de 238 mil habitantes, e logo tomaram conta de todo o Brasil. As palavras “Araraquara” e “Genro” estão entre os trending topics do X (antigo Twitter).

Nos prints divulgados por Camila, Juninho Virgílio (genro) e Edielson Oliveira (sogro) trocam declarações picantes e conversam sobre empréstimos de dinheiro. Em um trecho da conversa, Edielson chega a cobrar reciprocidade do genro: “Antes do dinheiro falava ‘te amo’, respondia…”.

Confusão e gritaria

Após a repercussão do caso, o pai da jovem, de 45 anos, teria ido até a casa dela e ateado fogo no carro do namorado. Enquanto o veículo era destruído pelas chamas, o homem teria gritado e falado sobre o suposto caso com o ex-genro. Jornais locais relatam que testemunhas viram o homem admitir a relação com o rapaz.

Durante a confusão, o homem jogou uma garrafa de vidro contra uma residência e acabou ferindo uma jovem. Em seguida, vizinhos o agrediram com socos, chutes e cadeiradas. Edielson, ainda segundo jornais locais, foi levado para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), e o caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.