Pesquisar
Close this search box.
Mato Grosso do Sul, 23 de abril de 2024
Campo Grande/MS
Fuente de datos meteorológicos: clima en Campo Grande a 30 días

Ficar muito tempo em frente a tela de produtos eletrônicos afeta o cérebro: positiva e negativamente

As alterações atingem o córtex pré-frontal e o lobo parietal de tal forma que impactam no toque e na sensibilidade à pressão e ao calor, além da memória e flexibilidade no cotidiano, dizem os estudos

O tempo passado em frente à televisão e outros eletrônicos tem efeitos mensuráveis e de longo prazo na função cerebral das crianças, de acordo com uma revisão de 23 anos de pesquisas em neuroimagem. Embora os resultados mostrem impactos negativos, também há alguns efeitos positivos. Os autores do artigo não defendem limitar o tempo de tela em vez disso, afirmam que formuladores de políticas públicas devem ajudar os pais a navegar no mundo digital e promover programas que apoiem o desenvolvimento do cérebro.

A revisão, publicada na revista especializada Early Education and Development, é uma análise de 33 estudos que utilizam tecnologia de neuroimagem para medir o impacto da tecnologia digital no cérebro de crianças com menos de 12 anos. Cerca de 30 mil participantes foram incluídos no total.

Em particular, a análise conclui que o tempo de tela leva a alterações no córtex pré-frontal do cérebro, que é a base das funções executivas, como a memória de trabalho e a capacidade de planejar ou responder com flexibilidade a situações.

Também foram encontrados impactos no lobo parietal, que ajuda a processar toque, pressão, calor, frio e dor; o lobo temporal, importante para a memória, audição e linguagem; e o lobo occipital, implicado na interpretação das informações visuais.

Inovações

“Tanto os educadores como os cuidadores devem reconhecer que o desenvolvimento cognitivo das crianças pode ser influenciado pelas suas experiências digitais”, afirma o autor correspondente do estudo, Hui Li, professor da Universidade de Educação de Hong Kong. “Limitar o tempo de tela é uma forma eficaz, mas desafiadora, e estratégias mais inovadoras, amigáveis e práticas poderiam ser desenvolvidas e implementadas. Aqueles que ocupam cargos de formulação de políticas devem fornecer orientação, envolvimento e apoio adequados para o uso digital pelas crianças.”

A equipe, que além de especialistas da Universidade de Educação de Hong Kong, incluiu especialistas da Universidade Normal de Xangai, na China, e da Universidade Macquarie, na Austrália, queria saber como a atividade digital afetava a plasticidade ou maleabilidade – do cérebro durante períodos críticos de desenvolvimento. Sabe-se que o desenvolvimento visual ocorre principalmente antes dos 8 anos, enquanto o momento-chave para a aquisição da linguagem é até os 12.

Os pesquisadores sintetizaram e avaliaram estudos sobre o uso digital pelas crianças e o desenvolvimento cerebral associado, publicados entre janeiro de 2000 e abril de 2023, com idades dos participantes variando a partir de 6 meses. As mídias baseadas em tela foram as mais utilizadas, seguidas por jogos, cenas visuais virtuais, visualização e edição de vídeos e uso de internet ou tablets.

O artigo conclui que essas primeiras experiências digitais têm um impacto significativo na forma e no funcionamento do cérebro das crianças. Isto foi considerado potencialmente positivo e negativo, mas principalmente mais adverso.

Por exemplo, foram considerados impactos negativos como o tempo de tela influencia a função cerebral necessária para a atenção, capacidades de controle executivo e inibitório, processos cognitivos e conectividade funcional. Outros estudos sugeriram que uma dedicação maior aos dispositivos está associada a uma menor conectividade funcional em áreas relacionadas com a linguagem e o controle cognitivo, afetando potencialmente negativamente o desenvolvimento deste último.

Tablet

Os pesquisadores também descobriram que os usuários de tablets apresentam pior função cerebral e tarefas de resolução de problemas. Os videogames e os usuários muito frequentes da internet produzem mudanças negativas em áreas do cérebro, impactando os escores de inteligência e o volume cerebral, o que foi demonstrado em quatro estudos. Também se constatou que o uso intensivo de mídia em geral impacta potencialmente o processamento visual e regiões de função cognitiva superior.

No entanto, houve seis estudos que demonstraram como essas experiências digitais podem impactar positivamente a funcionalidade do cérebro de uma criança. Foram observadas melhores habilidades de foco e aprendizagem no lobo frontal. Enquanto isso, outro estudo sugeriu que jogar videogame pode aumentar a demanda cognitiva, melhorando potencialmente as funções executivas dos pequenos.

“Essa análise contém implicações significativas para a melhoria prática e a formulação de políticas”, acredita o autor principal, Dandan Wu, da Universidade de Educação de Hong Kong. “Acima de tudo, tanto os educadores como os cuidadores devem reconhecer que o desenvolvimento cognitivo das crianças pode ser influenciado pelas suas experiências digitais. É imperativo que os decisores políticos desenvolvam e executem políticas baseadas em evidências empíricas para salvaguardar e melhorar o desenvolvimento do cérebro das crianças à medida que navegam.”

Suas preferências de cookies

Usamos cookies para otimizar nosso site e coletar estatísticas de uso.